Tuesday, January 30, 2007

Ainda que fosse por breves minutos

Gostava de experimentar viver numa vida em que as grávidas são apenas isso: gajas que decidiram, ou a quem calhou, ter um filho. Em que os filhos fossem apenas isso, crianças que alimentamos, cuidamos, mimamos e catamos as lêndeas. Numa vida em que as pessoas trabalham para pagar as contas e não pensam mais nisso. Uma vida com fins de tarde de copos e discussões sobre merda nenhuma. Gostava que, por breves minutos que fossem, uma foda fosse apenas uma foda e a multa do carro apenas mais uma multa e o salário um mal necessário e pronto.

Monday, January 29, 2007

ui, ai e todas as interjeições obrigatórias,

eu tenho defeitos. Defeitos dos maus, não aqueles que analisados numa certa perspectiva podem ser considerados bons, como a teimosia. Eu queria que os meus defeitos fossem giros e, afinal, são feios. BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ...

Tuesday, January 23, 2007

Para provar que não sou uma gaja com a mania que tudo o que lhe acontece é mau

transcrevo um poema que me ofereceram e que me deixou contente, pronto.

Living is no laughing matter:
you must live with great seriousness
like a squirrel, for example-
I mean without looking for something beyond and above living,
I mean living must be your whole occupation.
Living is no laughing matter:
you must take it seriously,
so much so and to such a degree
that, for example, your hands tied behind your back,
your back to the wall,
or else in a laboratory
in your white coat and safety glasses,
you can die for people-
even for people
whose faces you've never seen,
even though you know living
is the most real, the most beautiful thing.
I mean, you must take living so seriously
that even at seventy, for example, you'll plant olive trees-
and not for your children, either,
but because although you fear death you don't believe it,
because living, I mean, weighs heavier.(...)

On Living (versão completa)
Nazim Hikmet[1902, Salónica/Grécia - † 1963, Moscovo/(então) URSS]

Ah, a inocência!!!

Pela primeira vez em cinco anos não se importou que a fosse buscar ao infantário depois das 18h30. E porquê? não, não foi porque já se habituou à ideia de que nem sempre é possível a mãe estar lá cedo, não foi porque já percebeu - finalmente depois de anos a fio a bater na mesma tecla - que nem sempre se tem o que se quer, foi apenas porque o Igor (actual namorado) saiu à mesma hora que ela.

"Quando for grande quero ser cêdêista (pessoa que trabalha com CDs)". Já agora bea e eu, o que achas que eu podia ser? - "acho que podias ser mãe" :-s

Eu agora

sentava-me ali a um canto e desatava num pranto. Assim como os desenhos animados japoneses com a água a jorrar dos cantos dos olhos. Só porque sim.

Sunday, January 21, 2007

Estou prá minha vida!

Está neste momento a passar na TVI um concerto do Tony Carrera. Não é que o gajo é um artista do caralho?

Wednesday, January 17, 2007

Pessoas estranhas IV, mas não tão estranhas quanto isso

A velhota sem dentes que circula no centro do Porto, a gritar com quem passa, seja para cravar tabaco - "Ó môr dá-me um cigarro" -, ou para perguntar as horas. O dominador comum é que o faz sempre aos gritos e com o nome comum abstracto (segundo a TLEBS, deve ser qualquer coisa deste género) Amor a iniciar cada frase. Mesmo que a seguir atire com um "sua grande puta", se a resposta não lhe agradar.
E assim de repente, depois de ser insultada, ocorre-me que eu podia ser aquela mulher.

Confissão

Eu não digo tudo o que penso

Sunday, January 14, 2007

Estou quase, quase

a entrar na fase do "não tenho amigos barra ninguém gosta de mim" *. Sou o máximo!!!!!

*é, de facto é uma infantilidade, mas quer dizer, eu tenho um blog.

Wednesday, January 10, 2007

Aborto

nem sequer me vou pronunciar...mas não posso deixar de questionar: porque raio se discutem coisas tão óbvias?

Tuesday, January 09, 2007

Georges Wolinski dixit

"não há cartunistas de direita, uma vez que a direita não tem dúvidas" e dixit muito bem.

Monday, January 08, 2007

Thursday, January 04, 2007

VAI VACA LIIIIIIIIIIINDA!!!


Dos variadíssimos programas de passagem de ano, ao alcance de qualquer um, a mim calhou-me ver uma vaca cagar. Pior, torcer por uma vaca que vai cagar. Pior ainda, a vaca não cagar em cima do quadrado com o número da minha rifa...

Tuesday, January 02, 2007

Estão a acontecer coisas no mundo

e eu não sei de nada. A rapariga das notícias vai lendo no teleponto, com ar de quem toma ansiolíticos, sobre o atentado da ETA no aeroporto de Madrid, o enforcamento de Saddam sob uma enxurrada de insultos, um boing qualquer coisa que está perdido na Indonésia e eu fico de boca aberta. Não só há mundo, para lá do meu espaço subacnoideu , como acontecem milhares de coisas ao mesmo tempo...