Wednesday, January 17, 2007

Pessoas estranhas IV, mas não tão estranhas quanto isso

A velhota sem dentes que circula no centro do Porto, a gritar com quem passa, seja para cravar tabaco - "Ó môr dá-me um cigarro" -, ou para perguntar as horas. O dominador comum é que o faz sempre aos gritos e com o nome comum abstracto (segundo a TLEBS, deve ser qualquer coisa deste género) Amor a iniciar cada frase. Mesmo que a seguir atire com um "sua grande puta", se a resposta não lhe agradar.
E assim de repente, depois de ser insultada, ocorre-me que eu podia ser aquela mulher.

4 comments:

Inês said...

Há uma peça de teatro sobre a Zélia.

Ana said...

Detesto a Zélia!! Oh Inês: lembras-te quando ela me deu um murro no braço (à cerca de 15 anos) :)))

Susana said...

A Zélia ainda é viva? :|

Ana said...

Ora ali em cima era há com "h" :)